Mudanças Climáticas

A CSN atua de forma integrada nos setores de siderurgia, mineração, logística, cimento e energia. Esse diferencial competitivo nos traz ganhos de eficiência que resultam em menores emissões de carbono, por exemplo:

  • Interligação entre mineração-porto-indústria via malha ferroviária, minimizando as emissões decorrentes da logística rodoviária;
  • Fabricação de cimento com a utilização da escória de alto-forno, coproduto do processo siderúrgico, reduzindo o uso de clínquer e, consequentemente, as emissões de GEE;
  • Matriz energética diversificada, considerando a participação em duas usinas hidrelétricas e a reutilização de gases siderúrgicos para a cogeração de energia elétrica, por meio usina termolétrica e turbina de recuperação de topo (TRT) na Usina Presidente Vargas, em Volta Redonda (RJ);
  • Em 2015, redução da geração da energia termoelétrica em substituição ao maior uso da energia da rede decorrente dos contratos de compra de eletricidade;
  • No período, houve renovação da frota de veículos da Mina Casa de Pedra, em Congonhas, com redução do consumo de óleo combustível.

Desde 2010, a CSN realiza o inventário das emissões de gases de efeito estufa, seguindo as diretrizes do GHG Protocol, com objetivo de subsidiar o desenvolvimento de uma estratégia de gestão de carbono, de mitigação de riscos e de adaptação às mudanças climáticas. A publicação do inventário de emissões demonstra a transparência da Companhia quanto aos desafios das mudanças climáticas. Em 2015 e 2016, a CSN recebeu o selo Ouro do GHG Protocol por ter reportado as emissões de todas as suas unidades e essas terem sido submetidas à verificação externa.

Em 2015, participou de forma pioneira da primeira certificação ABNT da Pegada de Carbono, obtendo o selo para a Bobina Laminada à Quente, mapeando todas as emissões de sua cadeia produtiva. Esta certificação posiciona nosso produto de forma mais transparente quando à qualidade do processo e a gestão de riscos e oportunidades relacionados às mudanças climáticas.

Além disso, a CSN responde aos questionários "climate change, water e supply chain" do Carbon Disclosure Project (CDP), reportando sua gestão de mudanças climáticas e água. Desde 2012, participa do Fórum Clima, organizado pelo Instituto Ethos de Responsabilidade Social, e em 2015 aderiu à Carta Aberta ao Brasil sobre Mudança do Clima, propondo que o Governo Brasileiro assumisse um papel de liderança durante a 21ª Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas, a COP-21, que foi realizada em Paris.

Também recebeu o "Climate Action Certificate" da World Steel Association em reconhecimento e cumprimento do programa de coleta e análise dos indicadores das organizações participantes.

A CSN quantifica as emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) para as unidades da CSN desde 2012, considerando as seguintes referências:

  • NBR ISO 14064.1;
  • GHG Protocol Corporate Standard (Revised Edition);
  • IPCC - Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas;
  • Requisitos regulatórios - Legislações vigentes pertinentes.

Essa quantificação tem como objetivo atender às regulamentações estaduais e a nacional, além do desenvolvimento da gestão estratégica de mudanças climáticas na CSN.

CSN alcança certificação de Pegada de Carbono

A pegada de carbono mede a quantidade total das emissões de gases do efeito estufa (GEE) causadas direta e indiretamente por uma pessoa, organização, evento ou produto, considerando as emissões associadas à fabricação dos produtos e também todas aquelas emitidas ao longo de sua cadeia produtiva com a contabilização de diversas emissões indiretas.

O processo de certificação ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) demonstrou o alto nível de gestão das emissões de gases do efeito estufa pela CSN, considerando toda a cadeia produtiva do aço e processos dos setores de mineração, logística, energia e cimento. Essa gestão dos GEEs é realizada por meio da elaboração anual do Inventário dos GEEs de todas as unidades da companhia, publicada no GHG Protocol e verificada por terceira parte.

Última Atualização em 8 de Novembro de 2016

Voltar Topo